O projeto de interfaces gráficas impõe alguns desafios: deve atender às necessidades do contratante (prazos, orçamento, compatibilidade tecnológica, etc.); deve adequar-se às condições do ambiente tecnológico (desempenho  plataformas; padrões de indústria e normas, linguagens de desenvolvimento e publicação, políticas de acesso em ambientes de trabalho e residencial, etc.) e do usuário (capacidades e limitações motoras, cognitivas, neurológicas, fisiológicas, emocionais e culturais, contexto de uso, etc.). Todos estes elementos se combinam formando uma experiência de uso. Alguns são mais bem documentados ou têm características mais perenes.

Quantas vezes já ouvi e proferi essa frase! Não só programas, mas diversos outros produtos, físicos ou virtuais, se mostram quase impossíveis de usar.  Será só incompetência?  Faltou o trabalho de um designer? Não conheciam ergonomia? Talvez porquê o problema seja mais complicado... Vamos ver porquê designers com conhecimento de ergonomia são praticamente indispensáveis para qualquer produto pelo menos medianamente sofisticados.